PEE da Celesc completa 20 anos conquistando prêmios e marca histórica de economia de energia

O Programa de Eficiência Energética (PEE) das Centrais Elétricas de Santa Catarina (Celesc) completou em 2020 duas décadas de implementação. Iniciado no ano 2000 e regulado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), o PEE da distribuidora catarinense recebeu mais de R$ 430 milhões em investimentos que proporcionaram a execução de 170 projetos destinados a diversos perfis de consumidores, como os residenciais, entidades e hospitais filantrópicos, escolas e universidades, indústrias e modernização dos sistemas de iluminação pública. Nos últimos 20 anos, as ações de eficiência energética desenvolvidas pela empresa resultaram em uma economia de energia global de 2.059.295,77 MWh.

O atual gerente da Divisão de Eficiência Energética e Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) da Celesc, Thiago Jeremias, recorda que as ações desenvolvidas pela distribuidora nos primeiros anos do PEE foram pioneiras em muitas frentes de atuação, como no setor de iluminação pública.

“No início dos anos 2000, projetos de PEE foram responsáveis pela substituição de lâmpadas de vapor de mercúrio por vapor de sódio, as mais eficientes do mercado na época, em mais de 60 municípios do estado. Recentemente, 13 municípios participaram novamente do programa, porém, na troca desse sistema de iluminação por lâmpadas LED, que para uma cidade pode representar uma economia de até 50% na fatura de iluminação pública, por exemplo”, explica Thiago Jeremias.

Nesses 20 anos, algumas das ações com maior impacto na realidade dos consumidores catarinenses foram as edições do projeto Bônus Eficientes (Eletrodomésticos/Fotovoltaico/Motor), no qual a companhia, por meio de parceiros, oferece descontos na compra de aparelhos novos e eficientes para os clientes dos segmentos Residencial, Comercial e Industrial. O programa, por meio da contrapartida dos consumidores participantes, também apresenta um lado social, já que parte do valor dos produtos adquiridos é revertido para instituições filantrópicas do estado. Somente em 2020, a iniciativa efetuou a doação de mais de R$ 950 mil para entidades filantrópicas localizadas nos municípios de Chapecó, Florianópolis, Joinville e Tubarão.

Programa mais popular da Celesc, o Bônus Eletrodomésticos beneficiou, nas últimas duas edições, mais de 100 mil consumidores residenciais com um aporte de R$ 30 milhões em investimentos. Sua 6ª edição, realizada no ano passado, ofereceu desconto de 50% para a substituição de refrigeradores, aparelhos de ar-condicionado e freezers antigos e ineficientes por equipamentos novos e com Selo Procel de Economia de Energia.

Já o Bônus Fotovoltaico, que concede subsídios para a instalação de sistemas de captação de energia solar em residências e instituições do estado, conquistou, em 2020, o 1º lugar na categoria Preservação Ambiental do Prêmio Empresa Cidadã ADVB. A iniciativa, que teve as inscrições abertas em 2016, concedeu bônus de 60% aos participantes na instalação de 1.250 sistemas fotovoltaicos. Ao todo, o Bônus Fotovoltaico investiu R$ 22,17 milhões, sendo R$ 14,1 milhões provenientes do Programa de Eficiência Energética da Celesc e R$ 8 milhões como contrapartida dos clientes que adquiriram as placas solares.

Já o programa Bônus Motor conquistou em 2020 o inédito prêmio da Association of Energy Engineers (AEE), uma das principais premiações internacionais para projetos de eficiência energética. O reconhecimento veio na categoria Projeto Inovador de Energia, com a iniciativa voltada para as classes Industrial, Comércio e Serviços, Poder Público, Serviço Público ou Rural, que concedeu desconto de até 30% para a troca de motores elétricos antigos ou recondicionados por equipamentos novos e mais eficientes. Em 12 meses, o programa substituiu mais de 1,7 mil motores, o que representou uma economia total de 18,64 GWh, número correspondente ao consumo de aproximadamente 7,5 mil residências.

Outro projeto com grande impacto no cotidiano da população catarinense é o ‘Banho de Energia’. Desenvolvido na região serrana do estado, localidade conhecida pelas baixas temperaturas durante o inverno, o projeto beneficia consumidores da área rural dos municípios com a instalação de um sistema de trocador de calor. O mecanismo permite que o morador possa aquecer a água do banho com o calor do fogão à lenha, reduzindo o custo a energia elétrica para essa função. Com investimento de quase R$ 6 milhões, a iniciativa conquistou o Prêmio Fritz Muller de 2017, na categoria Gestão Socioambiental, e o Prêmio Expressão de Ecologia, em 2018, considerado a maior premiação ambiental do Sul do Brasil.

Já o projeto Energia do Bem promove, há cinco anos, a substituição de equipamentos elétricos, como chuveiros, refrigeradores e lâmpadas, por itens mais eficientes e já beneficiou mais de 75 mil famílias de baixa renda do estado.

Nos 20 anos do Programa de Eficiência Energética da Celesc, também foram modernizadas e eficientizadas as instalações elétricas de 70 hospitais filantrópicos do estado. Já na área educacional, por meio de parceria entre a Celesc e a Secretaria de Estado da Educação de Santa Cataria, foi criado o projeto Celesc nos Cedups. Com investimento de R$ 4,2 milhões, a parceria proporcionou a criação de laboratórios de Eficiência Energética em seis Centros de Educação Profissional (Cedup) com a missão de capacitar professores e permitir que estudantes do Ensino Médio aprendam uma nova profissão e atuem de modo efetivo na otimização do uso de energia elétrica tanto em casa, quanto em indústrias e comércios. A expectativa é que 2.800 alunos da rede estadual tenham essa qualificação na grade curricular e que, em dez anos, o projeto tenha potencial para qualificar 28.000 alunos, impactando cerca de 85.470 familiares desses estudantes.

O presidente da Celesc, Cleicio Poleto Martins, ressalta que os projetos de eficiência energética desenvolvidos pela empresa foram pensados não apenas para manter a empresa na vanguarda tecnológica do setor elétrico, mas também para gerar um impacto positivo no cotidiano dos diferentes perfis de consumidores. “O objetivo da companhia é fortalecer ainda mais esses programas na base econômica e social, na medida em que impactam no gasto da população com energia elétrica e influenciam na redução do consumo da matriz energética do estado e do país. Além disso, eles incentivam as diversas classes de consumidores, sejam residenciais, entidades filantrópicas, administração pública, comércio e indústrias, a utilizar a energia elétrica de forma consciente, segura e eficiente, com qualidade de vida e respeito permanente ao meio ambiente”, destaca.

Para 2021, a Celesc dará sequência a projetos de eficiência energética que já estão em curso, como aqueles voltados a consumidores cadastrados como baixa renda. Deve ser iniciada nos próximos meses a 3ª edição do ‘Sou Legal, Tô ligado’, que beneficia famílias com a substituição de eletrodomésticos como chuveiros, lâmpadas e refrigeradores antigos e que consomem mais energia, por aparelhos mais novos e econômicos. Já a criação de Laboratórios de Eficiência Energética em seis Centros de Educação Profissional (Cedups) também terá prosseguimento no primeiro semestre deste ano. Além disso, o Programa de Eficiência Energética também vai desenvolver projetos ligados à iluminação pública de alguns municípios, prédios públicos, comércios e hospitais. O cronograma dessas ações será divulgado ao longo do ano.

Fonte: Procel Info – 08/02/2021

Esta notícia não é de autoria de Leandro Rudnicki, sendo assim, os créditos e responsabilidades sobre o seu conteúdo são do veículo original. Para acessar a notícia em seu veículo original, clique aqui.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.