Inteligência artificial inicia a revolução do setor elétrico

A revolução do setor elétrico dá seus primeiros passos. A inteligência artificial já influencia mudanças em nosso dia-a-dia. Embora poucos entendam o potencial da inteligência artificial, além de exemplos comuns de assistentes virtuais como a Alexa da Amazon ou Siri da Apple. O fato é que, no setor elétrico, sofisticados sistemas de “machine learning” já tornam as operações mais eficientes, melhoram as previsões de demanda, otimizam a comercialização e avançam na interatividade com o usuário.

Primeiramente, a convergência do setor elétrico com a inteligência artificial produzirá grande impacto para os consumidores. Em suma, o novo setor elétrico de fontes renováveis e distribuídas será mais eficiente, criativo e acessível.

A pandemia reforçou e acelerou a ênfase na eficiência e na produtividade. Dessa forma, muitas empresas estão usando “machine learning” para aumentar sua capacidade de predição e até sua gestão de redes inteligentes com drones.

Inovação no consumo inteligente de energia elétrica

Aproximadamente metade dos consumidores de energia elétrica dos EUA possuem medidores inteligentes. Esses medidores conseguem informar o consumo em tempo real para que os próprios usuários possam tomar melhores decisões. Além disso, novas soluções de automação de casas inteligentes possibilitam novos patamares de eficiência energética. Nesse sentido, os sistemas de monitoramento comunicam-se diretamente com os eletrodomésticos, economizando dinheiro e reduzindo o desperdício de energia.

A capacidade de adaptação dos equipamentos, tais como: ar condicionado, recarga de veiculo elétrico ou iluminação, ao perfil de consumo e aos preços que variam ao longo do dia, tem potencial enorme de economia de energia.

Inovação na comercialização eficiente de energia elétrica

Eletricidade é uma commodity que pode ser comprada, vendida e comercializada em mercados. Por sua vez, a eficiência dos mercados exige que imensos volumes de dados – de previsão climática a balanço de oferta e demanda da rede – sejam constantemente analisados pelos compradores, vendedores e intermediários.

California: Control room at California ISO
Centro de comando e controle do operador de energia elétrica da California (foto de Rolf Schulten/ullstein via Getty Images

A adoção de redes neurais com capacidade de aprendizagem já tem resultados comprovados. Em 2018, os algoritmos de “machine learning” da IBM aplicados a usina eólica do Google possibilitou um aumento de 20% do valor. Dessa forma, a nova capacidade de previsão do tempo com 36 horas de antecedência permitiu os ganhos de eficiência.

Armazenagem de energia elétrica com inteligência artificial

Inteligência artificial pode também aprimorar a tecnologia de armazenagem de energia. Ela facilita a integração de diferentes tecnologias, incluindo microgrids, baterias e múltiplas fontes geradoras. O papel da armazenagem cresce com o aumento da participação das fontes intermitentes. Nesse sentido, a inteligência artificial possibilita otimizar o equilíbrio entre oferta e demanda de energia. Dessa forma, as novas tecnologias eliminam eventuais desvios entre oferta e demanda, de forma eficiente, evitando desperdícios e aumentando a resiliência e confiabilidade do sistema.

SUNWISE, empresa de energia solar distribuída, está avaliando diferentes alternativas de armazenagem em suas fazendas solares. Em suma, o intuito é oferecer novas soluções ao mercado.

Fonte: Jornal DCI – Dirceu – 11/09/2020

Esta notícia não é de autoria de Leandro Rudnicki, sendo assim, os créditos e responsabilidades sobre o seu conteúdo são do veículo original. Para acessar a notícia em seu veículo original, clique aqui.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.