Uma nova era para construções sustentáveis no Brasil

Como objetivo de contribuir para o desenvolvimento de uma matriz mais sustentável para o setor de edificações, com redução dos impactos ambientais e da demanda do sistema elétrico, a Eletrobras, por meio do Programa Nacional de Conservação da Energia Elétrica (Procel), está promovendo a construção de edifícios Near Zero Energy Buildings (NZEB) no país. O termo refere-se a edificações com alta eficiência energética, que utilizam a geração de energia de fonte renovável para compensar sua demanda, tornando seu balanço energético anual praticamente nulo. Nesse contexto, o Procel acaba de divulgar o resultado da primeira Chamada Pública Procel Edifica – NZEB Brasil. Entre as 32 propostas apresentadas por instituições públicas, mistas e sem fins lucrativos, foram selecionadas quatro iniciativas, que devem receber um subsídio de até R$ 1 milhão cada para a viabilização dos projetos. As edificações, que serão construídas em diferentes regiões do país, deverão funcionar como modelos de referência para o setor de construção civil, a área acadêmica e o poder público, de modo a favorecer a disseminação desse conceito no território nacional.

A seleção dos classificados foi feita em duas etapas. Na primeira, os projetos foram avaliados quanto aos critérios de sustentabilidade, visitação, novas tecnologias e uso da edificação. A fase final foi dedicada à verificação dos projetos em relação aos requisitos necessários para serem classificadas como NZEB. As propostas passaram pela avaliação de uma equipe técnica formada por oito profissionais, entre representantes do Procel e especialistas em áreas como edificações eficientes, sustentáveis e etiquetagem, convidados para auxiliar no processo. A arquiteta do Procel, Elisete Cunha, avaliou positivamente o resultado da primeira Chamada Pública dedicada a projetos NZEB, destacando que o edital teve participação além do previsto.

“O número de instituições inscritas surpreendeu bastante, pois estamos falando da construção de uma edificação com critérios específicos e prazo exíguo para desenvolvimento da proposta. O proponente precisava desenvolver diversos projetos e documentos técnicos para subsidiar nossa avaliação, e a quantidade de projetos completos foi certamente maior que o esperado”, destaca.

Edificações serão construídas em quatro estados do país

A iniciativa classificada em primeiro lugar foi a “Nova Casa Cepel NZEB”, desenvolvida pelo Centro de Pesquisas de Energia Elétrica (Eletrobras Cepel) em parceria com a Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Rio de Janeiro (FAU/UFRJ). A edificação (foto), que será construída na Cidade Universitária da UFRJ, será dividida em espaços para demonstração de tecnologias, pesquisa, palestras, capacitação profissional, apresentação de programas computacionais, além de um pequeno museu, denominado ‘Espaço Memória’, dedicado aos temas ‘eficiência energética’ e ‘geração de energia’. Dessa forma, de acordo com o Cepel, o projeto propõe a construção de conhecimento sobre o conceito NZEB, a fim de promover a formação de profissionais especializados e o desenvolvimento de novas tecnologias. “Além de ser arquitetonicamente atrativa, a proposta é que a Nova Casa tenha uma atmosfera interdisciplinar, apresentando diferentes conteúdos de forma vivencial. Esperamos que seja usada para contribuir para a formação profissional e para a integração entre a comunidade científica, sociedade e agentes governamentais e privados. Que sua configuração permita a demonstração de conceitos e tecnologias comerciais de equipamentos nas áreas de eficiência energética e de geração distribuída, bem como de técnicas da arquitetura bioclimática”, afirmou a gerente do projeto, a pesquisadora Marta Olivieri, em comunicado divulgado pelo Centro de Pesquisas.

A segunda colocada da Chamada Pública foi a Universidade Federal de Pelotas (UFPel), do Rio Grande do Sul, que apresentou o projeto de uma edificação institucional onde, além de salas de aula, funcionará o Laboratório de Inspeção de Eficiência Energética em Edificações (LINSE/UFPel), que é acreditado pelo Inmetro para a emissão da Etiqueta PBE-Edifica.

Em seguida, ficou a proposta de expansão do Centro de Pesquisa e Capacitação em Energia Solar, da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). O prédio será construído no campus da instituição, que fica na cidade de Florianópolis, com o objetivo de ser um equipamento de pesquisa que vai se relacionar com o atual Laboratório Fotovoltaica da UFSC. O local será utilizado, ainda, para o armazenamento de energia fotovoltaica, que é objeto de estudo de um projeto de Pesquisa e Desenvolvimento da operação brasileira da elétrica francesa Engie, desenvolvido pela instituição de ensino.

Completa a lista de beneficiários a Universidade de Brasília (UNB), responsável por criar projeto para um edifício que funcionará no modelo coworking no Parque Tecnológico da Instituição. A construção abrigará escritórios que serão utilizados por grupos de pesquisa voltados para o estudo de balanço energético nulo e sustentabilidade em edificações.

Projetos deverão auxiliar o país a seguir tendência global do setor de construção civil

Com a escolha de propostas de regiões distintas do país, o Procel pretende fomentar o conhecimento sobre a implantação de NZEBs em diferentes condições climáticas. A especificidade de cada proposta e sua utilização também deverão servir de embasamento para o setor de construção civil. Assim, com a viabilização dos projetos selecionados, a intenção é mostrar a aplicabilidade do conceito na prática, incentivando a realização de outras construções nesse modelo no país.

“Todos os projetos se destacam pelo uso intempestivo dos conceitos de arquitetura bioclimática, premissa básica para qualquer edificação sustentável, eficiente e NZEB. A localização em diferentes zonas bioclimáticas permitirá a demonstração das diferentes estratégias existentes, aplicada a cada clima. A diversidade dos partidos arquitetônicos permite demonstrar a possibilidade de aplicação de tais conceitos em edificações mais e menos complexas, desmistificando que edificações sustentáveis devem ser necessariamente complexas e onerosas”, destaca Elisete Cunha.

A promoção das construções do tipo NZEB visa ainda auxiliar o Brasil a acompanhar tendência mundial de investimento em edificações sustentáveis, que contribuem tanto para a questão econômica quanto para a redução de danos ambientais. Para os países da União Europeia, por exemplo, o modelo NZEB passará a ser obrigatório para novas construções a partir de 2021. Assim, a iniciativa se insere como um ponto de partida para contribuir com a redução da demanda energética das edificações nacionais, setor que hoje representa cerca de 50% do consumo total de energia elétrica do país.

“Este é um dos objetivos do projeto, disseminar esse conceito de construção já difundido em diversos países e, ao mesmo tempo, desmistificar questões relacionadas à complexidade de projeto, custo e outras dificuldades, frequentemente atribuídas a edificações sustentáveis, porém, não necessariamente verdadeiras”, aponta a arquiteta do Procel.

Isolamento social não deve comprometer início dos projetos

A próxima etapa do processo da Chamada Pública Procel Edifica –NZEB Brasil é a assinatura do Termo de Cooperação Técnica entre a Eletrobras e os beneficiários. Firmado o acordo, cada instituição terá um prazo de 24 meses para concluir o projeto. Com a edificação pronta, cada beneficiário deverá se comprometer a permitir a visitação do público em geral, além de possibilitar as medições do consumo de energia durante o período de dois anos. De acordo com o processo, mesmo com as medidas de isolamento adotadas atualmente no país, não deve haver atraso no cronograma previsto, uma vez que os trâmites iniciais podem ser realizados de forma remota.

Fonte: Procel Info – Débora Anibolete – 04/06/2020

Esta notícia não é de autoria de Leandro Rudnicki, sendo assim, os créditos e responsabilidades sobre o seu conteúdo são do veículo original. Para acessar a notícia em seu veículo original, clique aqui.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.