Brasil pode atingir 24,8 GW em capacidade instalada de energia solar até 2029

O último estudo sobre a expansão de energia no Brasil feito pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE), aponta que o país pode atingir 24,8 Gigawatts (GW) de energia solar até 2029.

Realizado anualmente como base de planejamento, o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE) traça as perspectivas do governo para os próximos 10 anos do setor elétrico brasileiro.

Segundo o estudo, o crescimento atual das placas solares poderá acumular em um total de 15 GW de capacidade em geração centralizada (grandes usinas solares) ao fim desse período.

Por outro lado, os micro e minigeradores de energia solar fotovoltaica dentro do segmento de geração distribuída deverão somar 9,8 GW de capacidade até o final de 2029.

De acordo com o estudo, a principal força por trás dessa expansão continuará sendo a queda de preços da tecnologia fotovoltaica.

Como prova, a EPE aponta um relatório da International Energy Agency (IEA) que mostra uma depreciação de mais de 70% no valores para investimento na tecnologia entre 2010 e 2018.

Dessa forma, a tendência é que a fonte solar continue conquistando a maioria dos projetos de usinas elétricas comercializados nos Leilões de Energia promovidos pelo Governo.

O caso mais recente foi em junho deste ano, quando a energia solar atingiu a mínima histórica de preços no Leilão A-4, negociando projetos a R$75,31 o Megawatt-hora (MWh).

Além disso, a EPE também aponta para o ganho de eficiência da tecnologia, que a cada ano apresenta novos avanços tecnológicos na fabricação e eficiência das placas (módulos).

Na geração distribuída, o PDE 2029 estima um público total de 1,3 milhão de brasileiros e uma capacidade instalada de 11,4 GW, já considerando as possíveis revisões das regras do segmento.

Para isso, a empresa afirma que serão necessários quase R$50 bilhões em investimento entre todas as fontes de energia renováveis incentivadas pelo segmento.

No entanto, a EPE ressalta que a energia solar continuará sendo a líder do segmento devido ao seu maior potencial de geração, custos mais baixos e pela sua adaptabilidade.

De acordo com o PDE 2029, a geração distribuída poderá contribuir por até 17% do consumo de eletricidade no Brasil.

Além dos benefícios diretos para a população, a EPE destaca a contribuição do segmento de geração distribuída para o setor elétrico brasileiro.

Entre eles está o da eficiência energética, parte importante das medidas anunciadas pelo Governo para atingir suas metas de descarbonização assumidas no Acordo de Paris.

No geral, a EPE afirma que é “incontestável o relevante papel que a tecnologia solar fotovoltaica tem para a expansão do sistema elétrico brasileiro”.

Fonte: EcoDebate, ISSN 2446-9394, 18/12/2019 – Ruy Fontes – Agência #movidos

Esta notícia não é de autoria de Leandro Rudnicki, sendo assim, os créditos e responsabilidades sobre o seu conteúdo são do veículo original. Para acessar a notícia em seu veículo original, clique aqui.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.